Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Quadras ao jeito do Pão Por Deus de antigamente

por Dona Professora, em 30.10.15

Peditório:

Dê-me pão por Deus, 

que Deus curou os meus. 

Dê-me pão por Deus, 

e Deus curará os seus. 

 

Dê-nos pão por Deus

e abra o coração

Dê-nos pão por Deus

 

e será uma emoção

 

Maria Ana Silva e Maria Inês Costa, 6º B

Pão por Deus,

sonhos meus.

Dê-me pão

do fundo do seu coração. 

 

Pão, pãozinho

dê-me um bocadinho. 

Coma comigo

e será meu amigo. 

Isabel Magalhães e Marta Góis, 6.º B

 

Dê-me pão por Deus, 

Senão digo adeus.

Dê-me pão por Deus, 

 

e um dia serão seus. 

 

Dê-me pão por Deus, 

 

que a vida melhora.

Dê-me pão por Deus, 

 

para comer com amora.

Vasco Pereira, 6.º B

Oh minha senhora, dê pão ou dê leite

à criança que a adora. 

o que conta é a tradição 

e ter amor no coração. 

Domingos Oliveira, 6.º B

Pão por Deus eu vim pedir

E não quero repetir.

Dê-me pão, pois eu vim pedir. 

Mas se não me der, o chão vou partir. 

Francisco Colaço, 6.º B

Meu caro amiguinho, 

já estou a sentir o cheirinho.

Prevejo o que poderá ser:

é um pão que eu gostaria de comer. 

Guilherme Rodrigues e Lourenço Vieira, 6.º B

Dê-me pão por Deus,

meu caro amigo.

Se me der digo-lhe adeus,

mas se quiser vem comigo. 

Guilherme Mota, 6.º B

 

 

Respostas: 

O senhor é tão amável 

Estou em dívida consigo.

Olhe bem que sou prestável

também pode vir comigo. 

 

 

 

 

O senhor é mau e antipático

ninguém consigo quer estar.

Se calhar é lunático, 

vou por-me daqui a andar. 

Guilherme Mota, 6.º B

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:01


A tradição do Pão por Deus em Portugal

por Dona Professora, em 30.10.15

Em Portugal, o dia de Todos-os-Santos celebra-se no dia 1 de novembro. Nesse dia as crianças saem à rua em pequenos grupos para pedir o pão-por-deus de porta em porta. Antigamente em algumas regiões, quando iam fazer o peditório, as crianças recitavam versos e recebiam pão, broas, bolos, romãs, nozes, amêndoas ou castanhas como oferendas. Estas eram colocadas   em sacos de pano.

São vários os versos para pedir o pão-por-deus:

 

Ó tia, dá Pão-por-Deus?

Se o não tem Dê-lho Deus!.

 

Ou então:

Pão por Deus,

Fiel de Deus,

Bolinho no saco,

Andai com Deus.

Como não era muito agradável rejeitar o bolinho às crianças, as desculpas eram criativas:

 

Olha foram-me os ratos ao pote e não me deixaram farelo nem farelote

A quem lhes recusasse o pão-por-deus rogava-se uma praga em verso ou deixava-se uma ameaça enquanto se fugia em grupo e entre risos.

 

Esta tradição já era celebrada no século XV. Tem origem no ritual pagão do culto dos mortos, com raízes milenares. Em 1756, exatamente um ano após o terramoto que destruiu parte da cidade de Lisboa, celebrou-se esta tradição. Como a data do terramoto coincidiu com uma data com significado religioso (1 de novembro), no dia em que se cumpria o primeiro aniversário do terramoto, a população aproveitou a tradição para realizar um peditório, com a intenção de manter uma tradição que lembrava os seus mortos. As pessoas, percorreram a cidade, bateram às portas e pediram que lhes fosse dada qualquer esmola, mesmo que fosse apenas pão, dada a fome e miséria que se alastravam a toda a cidade. Nessa ocasião as pessoas pediram "Pão por Deus".

Noutras zonas do país, a tradição manteve-se, embora com algumas variações. Na região centro e estremadura chama-se a este dia o ‘Dia dos Bolinhos’ ou ‘Dia do Bolinho’. Os bolinhos típicos são especialmente confecionados para este dia, sendo à base de farinha e erva doce com mel (noutros locais leva batata doce e abóbora) e frutos secos como passas e nozes.

 

 

 

Noutras regiões os padrinhos oferecerem um bolo aos afilhados. Esse bolo chama-se Santoro. Em vez de pedirem pão, pedem o "santorinho". Neste caso, a celebração tem início nos últimos dias de outubro.

Já nos anos 60 e 70 do século XX, este dia passou a ser comemorado de forma mais lúdica. Apenas crianças até aos dez anos podiam participar no peditório e este realizava-se apenas durante a manhã.

Atualmente, o Pão-por-Deus sofreu algumas alterações, os meninos que batem de porta em porta podem receber dinheiro, rebuçados ou chocolates. A celebração portuguesa já se confunde com o Halloween, ou seja, com o dia das bruxas, que é uma tradição anglo-saxónica.

Trabalho coletivo , 6.º B

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:58


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

subscrever feeds