Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A bruxa que não sabia ler

por GILCO, em 10.12.15

Era uma vez um cavaleiro que adorava caçar. Tinha muitas pretendentes, pois era considerado um dos mais belos do seu reino. O seu cabelo parecia ouro brilhando ao sol e os seus olhos duas pedras preciosas, de tão verdes que eram. Naquele dia andou, andou até que se perdeu na floresta. Ele tinha ido caçar com o seu cavalo mais veloz, mas como era muito curioso, acabou por afastar-se do seu castelo, distraído com os animais e plantas que ia encontrando. A certa altura percebe que já não conseguia voltar para casa, pois tinha andado tanto que já estava numa parte da floresta que desconhecia. O seu cavalo estava muito cansado e quase que se recusava a andar.

Então o cavaleiro decide parar junto a uma fonte para dar água ao cavalo e descansar. Eis que ao longe avistou uma jovem bela. Parecia uma verdadeira donzela dos contos de fadas. Estava a colher frutos silvestres perto de uma amoreira. O cavaleiro, como era muito curioso, foi logo meter conversa com ela:

-Cof .... cof... Olá, jovem donzela. Parece muito distraída, não tem medo de andar pela floresta sozinha?

- Não falo com estranhos. – declarou arrogantemente a jovem.

- Mas só serei um estranho se não me conhecer. Permita-me apresentar: sou Alfredo Tobias Fulgêncio, ao seu serviço. Cavaleiro principal do rei. – disse com cerimónia, ajoelhando-se - Agora já não somos estranhos.

- Continua a ser um estranho, pois não o conheço. Agradeço que se afaste – pediu ela sem muita simpatia.

- Ora, não sejais assim tão rude. Afinal parece que somos ambos da mesma idade. Não me quereis dizer pelo menos o seu nome? –insistiu ele.

-Chamo-me... hum... hum... Juliana... hummm Juliana da Silva... – disse demoradamente como quem procurava as palavras na sua cabeça.

-Pareceis não ter a certeza do seu nome. Cheira-me que estais a mentir. Morais por aqui? Os seus pais estão por perto? Colheis amoras, porquê? Gostais de frutos?

-CALA-TE! – gritou a rapariga assustada com tantas perguntas. Não queiras saber tudo acerca de tudo. Acredita que é melhor.

Dito isto a rapariga afastou-se decisivamente do cavaleiro, contudo este, morto de curiosidade por conhecê-la, seguiu a jovem levando o seu cavalo pela mão. No entanto, ela conseguiu escapulir-se e sair da vista do rapaz. O cavaleiro procurou a jovem, mas não via nada, apenas a entrada de uma gruta que nunca antes tinha visto.

Para não variar, não resistiu a entrar movido pela sua curiosidade. Atou o seu cavalo a uma árvore e pé ante pé entrou na gruta. Esta era rochosa, húmida e escura, as suas paredes tinham pedras preciosas que brilhavam no meio da escuridão. Apesar do brilho cintilante, a caverna tinha um aspeto frágil, pois parecia que iria desabar a qualquer momento. Ao fundo, com uma tocha na mão, vê uma velha feia, muito alta e com um nariz adunco. Estava toda vestida de preto com uns sapatos pontiagudos, tal e qual uma feiticeira. Junto dela, estava um anão ruivo, barbudo e anafado a quem ela insistentemente dava ordens. O anão parecia não ter grande escolha e apenas abanava a cabeça, curvado.

-Bo- bo-boa tarde... estava aqui a passar e vi uma jovem moça que encontrei ao pé da fonte... Por a-a-acaso não a viu? – perguntou medrosamente.

-Não vi nada... Saia daqui imediatamente – ordenou a velha.

O cavaleiro abriu muito os olhos e percebeu que o anão apontava para a bruxa como se quisesse comunicar com ele. Fazia-lhe sinais, saltitava e olhava para ela de olhos arregalados.

-Não ouviu? SAIA! – gritou ela.

-Mas... mas tem mesmo a certeza que não viu... A sério? Ela é bonita, impossível de passar despercebida! Não viverá por aqui? De certeza? Queria saber quem ela é.

-Tanta pergunta... a curiosidade matou o gato... ABRACADABRA!

O cavaleiro tentou argumentar, mas da sua boca apenas saia ar... nem uma vozinha fininha ou outro som qualquer... nada!

-Acompanha-o para fora daqui – mandou a bruxa, dirigindo-se para o anão.

O anão empurrou o rapaz até ao cavalo.

-Que mania de fazerem tantas perguntas – resmungou o anão, olhando para o cavalo - depois ela chateia-se e é sempre a mesma coisa... ficam todos mudos.

O cavalo parecia ouvi-lo, mas o Cavaleiro só via a boca do anão a mexer-se e nada ouvia. Ele resmungava até que, nesse momento, o anão puxa do bolso um pequeno caderno preto escrivinhado com letras feitas à pressa e um lápis preso numa ponta.

“A bruxa da gruta é uma mulher muito má... Lá dentro é a criatura mais feia da floresta, mas quando sai torna-se tão bela, capaz de encantar qualquer um. No entanto, ela não gosta que falem consigo, porque não tem sobre o que conversar. Ela não quer ir à escola e envergonha-se de ser uma bruxa de segunda! Só sabe um feitiço que lhe ensinou a sua mãe. Apenas consegue por as pessoas mudas. Ela vive sozinha nesta floresta e infeliz porque todos são mudos por sua culpa. Há um livro de feitiços que tem a receita para reverter esta e outras maldições. Contudo, ela não sabe ler e não sabe onde o colocou. Leva-me contigo e eu ajudar-te-ei. Também eu fui enfeitiçado pela bruxa.”

O Cavaleiro ficou boquiaberto com a informação que acabara de ler e percebeu que a única forma de comunicarem seria através daquele caderno. Então, pegou no lápis e escreveu também:

“O quê? Tu foste amaldiçoado? Mas quem és tu? E esse livro onde está? Como podemos lá chegar? É difícil? O que vamos fazer?”

O Anão abanou a cabeça em sinal de desagrado. Afinal o Cavaleiro não percebia que foram as suas perguntas que o tinham posto naquela situação.

“Que curioso me saíste! Bem... vamos por partes. O livro está escondido no sítio mais escuro da caverna e se a bruxa fosse esperta saberia fazer um feitiço para o descobrir. Temos de lá entrar sem ela dar por isso.”

O anão solta o cavalo que entra para dentro da gruta e come todos os frutos silvestres da bruxa. Esta, irritada, vai atrás do cavalo. Simultaneamente o anão e o Cavaleiro entram na gruta. O rapaz seguiu o seu novo amigo. Entraram numa parte muito escura e húmida, mas aqui já não havia pedras preciosas. Cheirava a mofo e as paredes tinham teias de aranha. O medo, no entanto, não os impediu de irem até ao fundo, pois queria muito voltar a falar. Lá mesmo ao fundo, estava uma caixa coberta de pó. O anão abre-a e esconde o livro debaixo da sua roupa.

Pé ante pé, conseguem sair da gruta sem serem vistos. Encontram o cavalo escondido numa clareira, perto dali. O anão parecia que sabia o que estava a fazer. Abre decisivamente o livro na página 83 que tinha a fórmula para reverter o feitiço. Descobriram que tinham de beber água da fonte e bater o pé três vezes dizendo (sem voz): ABRACADABRA o gato matou a curiosidade.

Então, montaram o cavalo que galopou velozmente em direção à fonte onde outrora tinha o cavaleiro visto a menina bonita. Chegados ao local, deram um golo muito grande na fonte com a ajuda da mão. Bateram com o pé no chão três vezes, enquanto tentavam dizer:

-ABRACADABRA o gato matou a curiosidade!

E o anão tinha razão. De repente voltaram a falar.

- Boa, finalmente tenho voz – gritou efusivamente o cavaleiro.

- Sim, mas lembra-te que foram as tuas perguntas idiotas que te puseram nesta situação. Pensa antes de falar de hoje em diante.

- Está bem, mas aquela bruxa podia ser um pouco mais esperta. Vai morrer sozinha se continua a fazer feitiços destes.

Entretanto ouviram passos. O Cavaleiro olhou em direção ao som e viu a jovem que tinha encontrado anteriormente. O anão, ao ver aquela figura feminina de uma beleza rara, puxou o Cavaleiro e aflitivamente disse:

-Vamos fugir que ela anda por aí...

O Cavaleiro percebeu nesse momento que afinal a jovem bela que vira na fonte era a bruxa que os tinha enfeitiçado. O anão que vivera tantos anos naquela floresta conhecia todos os caminhos e acompanhou o Cavaleiro até à corte. Como forma de reconhecimento e por agora ser o dono do livro de feitiços convidou-o para ser o Mago Real do reino onde vivia, tornando-se companheiros de muitas aventuras.

 

Texto coletivo, 7º ano

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:49


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

subscrever feeds