Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A violência nas crianças

por Dona professora, em 16.06.16

 

A violência nas crianças

 

 

 

 Ato I

Cena I 

Entram em cena o narrador e todos os pré-históricos. Estes encontram-se algures na pré-história, que é caracterizada por pedras e uma caverna.

Narrador: Hoje viemos contar um dos grandes problemas dos dias de hoje. Vamos falar sobre a agressão física e psicológica nas crianças.

Menino da pré-história: Tenho tanta curiosidade… Gostava de saber como é que as coisas são no futuro. (intrigado) Mas como o saberei?

Menina da pré-história: Também gostaria de saber. (Pensa um pouco) Já sei!!! Vamos construir uma máquina do tempo.

Pré-histórico(1): O que é isso? (confuso) Nunca ouvi tal coisa…

Pré-histórico(2): (dirigindo-se à menina da pré-história)  Estás parva? Não temos nada para o fazer.

Menina da pré-história: Não sei como, mas de alguma forma vamos conseguir fazê-lo. Apanhem tudo o que encontrarem!

Narrador: Os pré-históricos procuraram, procuram… até que um pré-histórico encontra algo misterioso que parece “ter vida”.

Pré-histórico(1): Venham, venham, acho que encontrei alguma coisa, isto está a…

Pré-histórico(2): (interrompendo e entusiasmado) O que é? Quero ver, quero ver!

Menino da pré-história: Tem calma, todos querem ver... Um de cada vez. (empurram-no)(Furioso) Não empurrem!

Pré-histórico (1): (eufórico, contente) Funciona, funciona! Já sabem que quero ser o primeiro a ver o que está para lá do portal.

Menina da pré-história: Não, tu não vais, por agora, (apontado para o menino da pré-história) só eu e ele é que vamos ver o que está para lá deste misterioso portal.

Entram os dois no portal

 

 Ato II

 Cena I

Entram em cena os meninos pré-históricos e o narrador que se localizam numa cidade com prédios altos e muito movimento.

Narrador: Agora numa cidade, os meninos apercebem-se de que estão no futuro. (Os meninos olham, vagarosamente, a seu redor) Ao olharem à volta dão conta de algumas situações invulgares, não existentes na pré-história, que os perturbam.

Menino da pré-história: (confuso) O que é que se está a passar? (apontando para uma casa) O que é aquilo?

Menina da pré-história: Não sei! Nunca vi nada assim… (para e pensa) Vamos ver mais de perto.

Menino da pré-história: Apesar de não saber o que se passa, tenho a certeza que aquela criança está muito triste. Parece que a estão maltratá-la.

Menina da pré-história: Estão a bater-lhe, (confusa) mas porquê? Não entendo nada! Juro, não compreendo!

O menino e a menina aproximam-se da janela da casa que estavam a observar. Com cuidado, espreitam para dentro da casa.

Menina da pré-história: (desesperada) O que fazemos agora?

Ouvem-se gritos e o som de estalas, no soar da última estalada os meninos tocam à campainha e a mãe vai abrir a porta.

            Cena II

Entram em cena os meninos pré-históricos e a agressora. Todos estão dentro da casa da agressora.

Menino da pré-história: Boa tarde. Queríamos falar consigo, acerca do que acabou de acontecer nesta casa.

Agressora: Podem entrar, (desconfiada) mas quem são vocês e o que querem? Por que estão aqui?

Menina da pré-história: Somos da pré-história. O que estavam a fazer àquela criança?

Agressora: (incomodada com a situação e fingindo que não sabe de nada) Não sei do que estão a falar. O que é que vocês viram?

Entretanto chega o agressor que ouviu toda a conversa.

            Cena III

Os meninos pré-históricos e a agressora permanecem em cena, mas entra o agressor. Continuam dentro de casa.

Agressor: Vão-se embora, metam-se na vossa vida! Não têm nada a ver com isto.

Entra a vítima

         Cena IV

Permanecem em cena os pré-históricos e os agressores e entra a vítima, todos continuam na casa dos agressores e da vítima.

Vítima(1): (dirigindo-se aos pré-históricos) Quem são vocês?

Agressor: São amigos, mas agora temos de ir ao supermercado.

Vítima(1): (Aparte: dirige-se à boca de cena e sussurra) Que mau aspeto, que têm estes amigos dos meus pais, parece que vieram da pré-história.

Agressora: (ouviu o que a vítima disse) Na realidade, vieram, mas agora vamos às compras.

Vítima(1): Posso ficar aqui com eles?

Agressor: Não, não podes. Tu vens connosco.

Ato III

 Cena I

Ficam em cena apenas os meninos pré-históricos e o narrador. No meio da cidade com o mesmo cenário onde os meninos pré-históricos foram parar quando passaram para lá do portal.

Narrador: Depois de saírem daquela casa, os meninos pré-históricos vão a outra e reparam que existe outro problema. Os meninos deparam-se novamente com um rapaz que estava a ser agredido.

Menino da pré-história: (furioso) Pronto! Já chega! Não conseguimos fazer com que isto acabe sozinhos, precisamos de mais gente. Mas quem?

Menina da pré-história: Já sei! Vamos chamar os nossos amigos.

Depois de muito observarem, os meninos apercebem-se de que já não existe portal.

Menino da pré-história: (preocupado e confuso) Onde é que está o portal? Onde será que ele está?

Menina da pré-história: Como é que vamos voltar?

Menino da pré-história: Tive uma ideia! Só duas pessoas com força de vontade e coragem é que nos podem ajudar a voltara a abrir o portal. Mas quem?

Menina da pré-história: Realmente só existem duas pessoas que nos podem ajudar. E essas são as vítimas.

Menino da pré-história: Claro, que ótima ideia!

Entretanto a família que tinha ido ao supermercado volta a casa. Os meninos dirigem-se para ela, batem à janela e a vítima deixa-os entrar.

            Cena II

Entram nesta cena a primeira vítima e os meninos pré-históricos que voltam todos a estar na casa da vítima.

Vítima(1): (espantada) O que é que querem?

Menina da pré-história: Tem calma, só te queremos pedir uma coisa.

Vítima(1): (com medo) O quê? Querem bater-me?

Menino da pré-história: Não, só queremos que expliques aos nossos amigos o que é que fizeram.

Vítima(1): Ok! Onde é que eles estão?

Menina da pré-história: Segue-nos! Vem atrás de nós.

Os dois meninos dirigem-se à casa onde se encontra a segunda vítima.

        

     Ato IV

     Cena I

Nesta cena entram os dois meninos pré-históricos, as duas vítimas e o narrador, sendo que todos eles (exceto o narrador) estão dentro da casa da segunda vítima.

Menino da pré-história: Olá, há pouco vimos que foste agredido pelos teus pais.

Menina da pré-história: Então queríamos que viesses connosco até à pré-história, para podermos contar aos nossos amigos o que se passa aqui no futuro.

Vítima(2): Voltar à pré-história? Hã?

Vítima(1): Sim, eles vieram da pré-história através de um portal.

Vítima(2): E tu, quem és?

Vítima(1): Eu sou uma criança que também foi agredida pelos pais, tal como tu, quanto sei.

Menino da pré-história: Então, vens?

Menina da pré-história: Por favor, vem connosco.

Vítima(2): Ok, eu vou. Mas, não pudemos demorar muito tempo.

Menino da pré-histórica: Vamos e voltamos num instante, como já ouvi dizer aqui no futuro, num abrir e fechar de olhos já cá estamos de volta.

Narrador: Juntos os meninos da pré-história e as vítimas conseguem reabrir o portal e voltar à pré-história. Agora os meninos pré-históricos regressam à pré-história, mas desta vez com companhia.

primitive-family-funny-illustration-58526281 (1).jpg

 Ato V

 Cena I

Nesta cena entram todos os pré-históricos e as vítimas. Todas se localizam na pré-história (no primeiro cenário)

Pré-históricos: (em coro) Finalmente estava a ver que não voltavam!

Menino da pré-história: Ora essa! Nós nunca vos abandonaríamos.

Menina da pré-história: Também estávamos cheios de saudades vossas e também estamos muito contentes por voltar a ver-vos. Mas agora, o assunto é outro. Trouxe-vos umas pessoas que nos querem dizer uma coisa, muito importante.

Vítima(1): Queria esclarecer-vos o seguinte: Nunca devem bater ou insultar alguém, independentemente de quem seja esse alguém, pois com isso nunca ganharão nada na vida. Ao fazer isso só estão a magoar o outro e a alimentar-se da sua dor, seja ela física ou psicológica. E olhem que eu sei daquilo que falo, porque embora não o saibam, eu já fui agredida e acreditem que não é nada, mas mesmo nada bom estarmos quase sempre a sermos esmurrados pelos nossos pais, ou outra pessoa qualquer.

Pré-históricos: (em coro) Ok! Prometo que nunca mais na vida irei agredir alguém, independentemente da situação ou da pessoa que pensarei agredir.

Vítima(2): Agora peço-vos que passem esta mensagem a todos os que conhecerem, pois desta forma o mundo será, certamente, uma lugar melhor para todos nós. Não se esqueçam, nunca de mostrar aos outros o que hoje aprenderam.

Os meninos pré-históricos dirigem-se juntamente com as vítimas, de novo, para o futuro.

           

Ato VI

Cena I

Nesta cena entram os meninos pré-históricos, as duas vítimas e o narrador. Encontram-se na cidade inicial (muito movimentada e com prédios por toda a parte).

Narrador: Agora depois de todos aprenderem a lição, os meninos da pré-história voltam ao futuro. Quando aí chegam apercebem-se que no curto espaço de tempo em que saíram dali muita coisa mudou. Existem muitas mais agressões e todas elas mesmo à frente dos seus próprios olhos.

Menina da pré-história: Como é que isto aconteceu? Passou pouquíssimo tempo desde que fomos e voltamos. Temos de travar isto, rapidamente.

Narrador: Rapidamente os meninos da pré-história resolvem os problemas de várias famílias. Apenas faltavam dois: os das vítimas que estavam com eles.

Menino da pré-história: Ah! Esquecemo-nos de resolveram as coisas com as vossas famílias.

Os meninos pré-históricos foram à casa da primeira vítima que estava com eles.

Ato VII

Cena I

Em cena permanecem a primeira vítima, os meninos da pré-história e entram os agressores. A cena passa-se na casa da primeira família.

Agressor: (arrogante) O que é que querem de nós? Vão-se embora.

Agressora: Sim, deixei-nos em paz, de uma vez por todas. (para um pouco e pensa) (confusa) E a nossa filha por que é que está convosco?

Ato VIII

Em cena entra o narrador os meninos da pré-história e a segunda vítima. Isto acontece perto da casa da segunda vítima.

Narrador: Começam a falar e quando acabam de explicar a razão pela qual a sua filha estava com eles, depois de conseguirem resolver a situação e de sensibilizarem os pais da criança, os meninos da pré-história dirigem-se à casa da segunda vítima acompanhada pela mesma, porém quando lá chegam os pais estão a discutir, novamente.

Menina da pré-história: Queria dizer-te que o que os teus pais te fizeram não está correto, como tu sabes. Deves avisar a polícia, para que possam resolver a situação o mais rápido possível.

Vítima(2): Ok! Vou fazer isso mesmo agora, por muito que me custe.  Já estava a ficar desesperado! É muito difícil estar sempre a levar socos e estaladas dos meus pais.

Ato IX

 Cena I

Não existe cenário e entram em cena o narrador, os agressores, as vítimas e todos os pré-históricos.

Narrador: A vítima ligou à polícia e os pais são presos e a criança/vítima e enviada para uma instituição. Quando são libertados, com dificuldade voltam a recuperar o filho e desde aí nunca mais voltaram a agredir ninguém. Aprenderam a lição!

Agressor: (dirigindo-se ao público) Em primeiro lugar, espero que tenham gostado. Mas sobretudo, espero que tenham entendido a mensagem que ele transmite.

Agressora: (dirigindo-se ao público) Espero que nunca façam o que foi aqui demonstrado pois é claramente errado. Nunca, sem exceções o devem fazer.

Vítima(1): (dirigindo-se ao público) Hoje em dia muitas crianças são agredidas. Espero que a nossa geração faça com que isso mude.

Vítima(2): (dirigindo-se ao público) Estamos aqui para defender as crianças. Hoje dia mundial contra a agressão infantil, e não só, tentamos sensibilizar as pessoas a acabar com tudo isto.

Narrador: (dirigindo-se ao público) Todos nós podemos fazer a diferença e mudar o que está errado. Pesem no que fazem no vosso dia a dia e nunca se esqueçam que todos os atos que fazem têm consequências, mas tarde ou mais cedo.

Menino da pré-história: (dirigindo-se ao público) Defendam os vossos direitos e os vossos serão defendidos, com toda a certeza.

Menina da pré-história: (dirigindo-se ao público) Acham que as crianças por serem mais pequenas não têm os seus direitos, pois estão enganados. Todos nós os temos independentemente das circunstâncias.

Pré-histórico(1): (dirigindo-se ao público)Defendam os diretos uns dos outros, não se irão arrepender.

Pré-histórico(2): (dirigindo-se ao público) Espero que tenham gostado e peço que sempre sejam contra à agressão infantil.

 

 

 

.

 Isabel Magalhães, Guilherme Rodrigues, Maria Ana Silva, Maria Inês Costa, Marta Góis, Lourenço Vieira, 6.º B

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:57



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D