Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Literatura Fantástica (III)

por Dona professora, em 27.02.14

Apesar do desejo de ir até àquela casa misteriosa, John e Mary Anne sabiam que tinham de ser rápidos, mas cautelosos. Afinal não queriam levar um ralhete por demorar tanto a chegar a casa depois das aulas.

A casa estava situada no topo de uma colina. Ao aproximarem-se tiveram de ganhar coragem para subir até às suas imediações. Todos os dias passavam à beira da casa, mas hoje era preciso coragem para entrar. Chegados ao portão, John sentiu um calafrio e por momentos hesitou. Não desistiu da ideia de entrar porque queria impressionar Mary Anne. Agora era tarde demais para se acobardar. Mary Anne olhou para ele com um olhar desafiador:

- Chegámos… Estás pronto? É agora ou nunca!

-Hmpf… si-si-sim…

Observaram o portão. Este outrora fora verde, mas agora sobrepunha-se a ferrugem. John já uma vez tinha entrado. O portão estava sempre aberto e ele nunca se lembrava de alguma tê-lo visto fechado. A distância do portão à casa não era muita, já tinha inclusivamente espreitado para dentro do edifício antigo, mas mais do que isso não fora capaz de ousar. Agora era o momento de finalmente entrar e explorar aquele lugar que tanta curiosidade lhe despertava.

Levantava-se uma aragem mais forte. Deram os primeiros passos em direção à casa quando de repente ouviram o ranger do portão a romper por entre a ferrugem. Seguiu-se um estrondo, Mary Anne gritou e abraçou o novo amigo, porém este não sabia como reagir. Entre o susto e o pouco à vontade que sentiu com aquele abraço, John perguntou:

-O que foi isto? Estás bem? O portão fechou-se?! – estranhou.

-O portão fechou-se… achas que foi o vento? – sugeriu Mary Anne.

-Com certeza… - esforçou-se ele por acreditar naquela teoria. Desembaraçou-se de Mary Anne com uma sacudidela e foram até à porta sem pensar muito se o portão abriria ou não quando quisessem sair. Os seus passos eram vagarosos e ouvia-se o pisar dos ramos secos no chão. Aquele era o momento da verdade. A mão trémula do rapaz aproximou-se da maçaneta. Uma gordura viscosa pingava do manípulo. Mesmo assim, John tentou abrir a porta. Abanou, empurrou, pontapeou… e nada! A porta não cedeu! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:47


6 comentários

De Anónimo a 27.02.2014 às 21:03

Muito bom espero por mais

De Che Guevara a 01.03.2014 às 13:27

Adorei. Se pensarem em publicar, eu serei o primeiro a comprar.
Espero por mais.

De Badjoras Malaiko a 05.03.2014 às 17:56

O historia está muito interessante, mas acho que devem continuar assim, espero por mais partes da vossa grande historia. Continuem que vão muito bem.

De Jervásio Constantino a 11.03.2014 às 10:14

Concordo contigo Badjoras Malaiko, mas espero poder ler mais dos vossos textos e ler brevemente a vossa historia, já nas lojas e papelarias e muito mais.

De Neymar JR a 11.03.2014 às 10:02

Está muito legal cara! vê-se que os alunos do grémio estão muito emocionados! É bem grémiozito!!

De Beli Beli a 11.03.2014 às 10:27

Esta muito lolitos, a história esta a ofuscar a minha curiosidade, devem continuar assim, espero por mais :oo
Ass: Beli Beli

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D