Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Literatura Fantástica (V)

por Dona professora, em 20.03.14

A luz entrava pelo buraco que a árvore tinha feito quando o seu ramo se partiu. Os espelhos já não eram espelhos. Já não se via qualquer reflexo nele, apenas uma camada densa de sujidade. As loiças estavam partidas e os dois jovens esforçavam-se por não cair nos destroços, procurando o melhor local para encaixar o pé. Era difícil não acertar num caco partido, cada passo era anunciado pelo som de mais louça a ser partida. Os azulejos pareciam que já tinham sido brancos e quem sabe se também azuis, mas agora apenas se via o musgo a querer romper pelo canto dos azulejos. A porta estava à distância de um braço e decidem avançar. Eis que senão se detêm numa mancha acastanhada na ombreira da porta já comida pelas térmitas que ali abundavam. Parecia que uma mão ensanguentada se tinha arrastado até à porta. John afasta-se repentinamente.

-O que é aquilo? – perguntou com um olhar enojado e desconfiado.

-O que achas? É uma mancha de sangue… de certeza! – respondeu incisivamente.

John sentiu medo da própria resposta da amiga. Um medo eventualmente comparável ao que alguém sentiu ao deixar aquela marca na porta. Afinal ela tinha razão: parecia mesmo que alguém tinha deixado o seu rasto numa noite de terror. Sentiu um arrepio na espinha e…

-Buh!!!! – gritou-lhe Mary Anne, pondo-lhe a mão nas costas.

John assustou-se e deu um salto. Uma salamandra saiu entre os cacos.

-É o que eu digo… És mesmo menino da mamã!

John engoliu em seco e resolveu ripostar convictamente:

-Agora talvez seja a parte em que eu digo “Vamos fazer um lanchinho”. Deve ser isso que estás à espera que eu diga. Mas na realidade estás ainda com mais medo do que eu! Não te armes em forte! E afinal de contas estamos nisto juntos! Deixa-te de tretas e avancemos!

Mary Anne ficou espantada e percebeu que ele perdera a paciência. Talvez fosse boa ideia mudar de atitude. Não podia ter o prejuízo de o perder.

-Desculpa, mas as tuas hesitações às vezes põe-me à beira de um ataque de nervos. – afirmou com um ar doce e angelical, capaz de convencer qualquer rapaz a obedecer-lhe – Vamos lá!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:35



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D