Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Projeto: Literatura Fantástica (II)

por Dona professora, em 13.02.14

 

Apesar da obsessão de todos por esta nova aluna, ela parecia a única a reparar em John. Afinal este parecia nem sequer reparar nela, apesar de já ter passado  uma semana desde que tinha chegado. Ao longe Mary Anne observava John isolado, num banco da escola a ler um livro. Resolveu falar com ele.

-Olá. Chamo-me Mary Anne e sou nova na escola. Reparei que estás sozinho. Posso fazer-te companhia? – questionou com alguma curiosidade e receio de ser afastada.

-Hmmm… cla… claro! – gaguejou John surpreendido com aquela abordagem.

- Reparo que estás a ler. Mudei de casa recentemente e os meus livros ainda não chegaram… Adoro ler e não sei como ocupar os tempos livres. Sabes como funciona a biblioteca da nossa escola? – perguntou novamente.

-Saber, sei, mas não adianta, pois está fechada para obras. – explicou John – No entanto, posso emprestar-te algum livro. Gostas de mistérios? Tenho vários do género em casa.

-Gostava muito. É claro se não te importares. Será que posso ir contigo à tua casa? Reparei que fazes o mesmo caminho que eu para a escola. – sugeriu Mary Anne.

E assim aconteceu… No fim das aulas, encontraram-se no portão e caminharam juntos. Era a primeira vez que alguém o acompanhava a casa. Sentia-se encabulado, sem saber o que dizer. Nervoso, mas entusiasmado por alguma coisa nova finalmente acontecer na sua vida.

No caminho passaram pela dita casa abandonada. John não conseguiu desviar o olhar da sua curiosidade obsessiva. Perspicaz, Mary Anne percebeu o interesse que sentia e aproveitou a oportunidade para tentar perceber a reação do rapaz:

- Aquela casa…. Parece abandonada há muitos anos… Ninguém vive lá, pois não?

- Não, não vive lá ninguém – explicou – nunca ninguém viu lá pessoas. Dizem que está assombrada, mas por alguma razão eu gostava de lá entrar… contudo, falta-me a coragem.

Mary Anne registou na mente aquela informação e dias mais tarde surgiu o convite inevitável:

- Sabes, John, tenho pensado naquela casa… despertou-me a curiosidade. Se tiveres coragem estou disposta a ir contigo. Só precisamos de saber como lá entrar.

No dia seguinte, John apresenta o que trouxera de casa: uma lanterna, o telemóvel, uma corda e o canivete suíço que tinha surripiado ao pai. Para agradar a Mary Anne até um pequeno lanche tinha trazido. No fim das aulas puseram-se a caminho. O entusiasmo pela companhia da colega misturava-se com o medo do desconhecido. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:33


5 comentários

De Anónimo a 23.02.2014 às 11:07

Está a ficar muito interessante, espero por mais!

De pratiksha a 24.02.2014 às 19:39

cada vez mais interessante. Estou cada vez mais curiosa.O que será que vai acontecer?!

De Dona professora a 25.02.2014 às 08:41

Olá, Pratiksha. Obrigada pelo elogio.... Aguarda as cenas do próximo capítulo! ;)

De Anónimo a 24.02.2014 às 23:13

Eu sugeria um tsunami no final!

De Dona professora a 25.02.2014 às 08:40

A questão do Tsunami é uma temática já muito debatida na redação do conto! ;)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D